Artigos

A história do TDAH: o cérebro caçador em um mundo de fazendeiros

A história do TDAH: o cérebro caçador em um mundo de fazendeiros 1

Sigo agarrada às teorias evolutivas na explicação do que se convencionou chamar de “desordens mentais”. Meu estudo sobre a fisiologia do cérebro é um prazer pessoal como a criança que desmonta o brinquedo para ver como funciona, mas a base de tudo é a história. Afinal, minha jornada cetogênica se inicia há 10 anos, com a Dieta Paleolítica. A ancestralidade não pode estar apenas na comida que tu mastiga, moço. Me nego a crer que somos tão rasos quanto o prato que nutre a máquina.

[elementor-template id="897"]

Há visionários (como eu), que cruzam as pontes: Elena Gross, que foi parceira de Dominic D’Agostino, nos dirá que aqueles com o cérebro hiperexcitado, em alerta (enxaqueca, mania, ansiedade etc) são as pessoas que ficavam na porta da caverna, em vigília, protegendo a comunidade que então podia dormir segura. Cansei de dizer… Existem dois tipos de pessoas: aquelas que quando estão cansadas dormem e aquelas que quando estão cansadas despertam ainda mais para proteger a vida. Ao meu lado, apenas o segundo time.

Agora, trago outra teoria que ainda não apresentei a vocês, pois vinha estudando a plausibilidade histórico-científica:

O CÉREBRO DO TDAH ERA O CÉREBRO DO CAÇADOR-COLETOR, ENQUANTO OS TRANQUILÕES ERAM OS FAZENDEIROS.

Não me leve a mal, eu moro em zona rural e sei o trabalho que é. HÁ ROTINA: todos os dias, acordar 4h, alimentar os animais, dormir com o sol. Há estruturas fixas a serem respeitadas. A ordem externa rege o cérebro.

MAS, eu JAMAIS aceitarei metades. Há o TDAH caçador. Há risco, movimento e integração mente-corpo constantes. Há tudo que é a cura do TDAH no mundo atual. Este mundo que nos tirou a ancestralidade e nos colocou num playground de ratos controlados, de gado de confinamento, que vaga entre a estática tela e o movimento monitorado da academia.

THOM HARTMANN é o criador desta teoria, TDAH COMO O CÉREBRO CAÇADOR-COLETOR. Psicanalista e autor do best-seller “ADHD: a Hunter in a farmer’s world, Hartmann explica”:

“A genética dos caçadores está imbuída de traços essenciais para a sociedade caçadora-coletora: o constante monitoramento do ambiente (criatividade e distração), capacidade de assumir riscos (impulsividade) e habilidade de ser incansável na busca de objetivos (hiperatividade). Em contraste, os fazendeiros são mais aptos à concentração, paciência e prudência, atributos fundamentais no ambiente rural, na sala de aula e no escritório.”

Se tu não enxergou que vivemos no império da sociedade agrícola, ao ponto que a monocultura da soja é a monocultura do corpo, da plástica, da roupa e da meta de vida, eu te peço que coma mais proteína e assuma riscos reais, que façam teu sangue pulsar para além do cardio: viva fora do box, dentro da floresta. Onde é teu lar, bicho.

Disclaimer: este conteúdo é informativo para o público em geral com base em pesquisas científicas e não substitui avaliação com seu profissional de saúde.

Baixe os livros de THOM HARTMANN sobre a história do Déficit de Atenção

Thom Hartmann – Adult ADHD: How to Succeed as a Hunter in a Farmer’s World (TDAH como ser bem-sucedido como caçador em um mundo de fazendeiros – 2016)

Thom Hartmann – ADHD: A hunter in a farmer’s world (TDAH um caçador num mundo de fazendeiros – 2019) livro download